Sonia Mindlin.png

Nasci em São Paulo, sou cantora, formada também em Ciências Sociais. Meu primeiro contato com a Técnica Alexander foi em Nova Iorque, quando estudava música no Mannes College of Music. Naquele momento no entanto, não sentia maiores dificuldades com o canto e não percebi a amplitude e profundidade que o estudo da TA poderia oferecer. Cantar era parte do cotidiano, desde sempre, de início muita mpb, seguindo depois pela descoberta do canto lírico e do repertório étnico. O estudo e a vida profissional por um bom período foram frutíferos mas, com o passar do tempo, cantar foi se tornando mais difícil e menos prazeroso e eu não soube como decifrar a origem dessa dificuldade, que hoje, a partir do contato e estudo da Técnica Alexander, compreendo no âmbito psicofísico, isto é, do organismo como um todo.
O reencontro com a Técnica se deu muito mais tarde, mas dessa vez percebi que o trabalho reunia muitas possibilidades de expansão e desenvolvimento pessoal, além de um imenso campo pedagógico, tanto no universo musical como para todas as atividades da vida! Embora não estivesse mais atuando profissionalmente como cantora, reencontrei através da experiência com a Técnica a alegria e a possibilidade de cantar mais livremente e com menos esforço. Desenvolvida pelo ator australiano Frederick Mathias Alexander, inicialmente com o intuito de tratar um problema de voz que aparecia toda vez que ele se apresentava no palco, a Técnica Alexander (como ficou conhecida mais tarde) além de resolver os problemas vocais e respiratórios de seu criador, foi se revelando eficaz para o tratamento de inúmeros outros problemas de saúde.
Além das questões vocais, revelou-se também uma ferramenta muito útil para todos os instrumentistas como forma de autopercepção e reconhecimento das tensões físicas e emocionais que envolvem o fazer musical, tendo sido adotada como parte do currículo de importantes escolas de música como a Julliard School of Music em Nova Iorque e a Guildhall em Londres, entre outras. As aulas se dão através de instruções verbais e do toque delicado do professor, que tornam mais claro para o aluno seus padrões habituais de tensão e possibilitam escolhas de outros caminhos.
Fiz minha formação como professora em São Paulo, na Escola Brasileira de Técnica Alexander com Reinaldo Renzo, com quem também me certifiquei no método Pensando na Performance (Técnica Alexander na performance musical). Frequentei ao longo da formação a ESTAR (Rio de Janeiro) e a Escuela Uruguaia de Técnica Alexander (Montevidéu).